terça-feira, 21 de novembro de 2017

Chaim Soutine





Chaim Soutine (1893-1943) Nasceu na Lituânia de família judia. Tinha 10 irmãos e seu pai era alfaiate.  Em 1909, mudou-se para Minsk, onde recebeu sua primeira lições artísticas. No ano seguinte, ingressou na Escola de Belas Artes  graduação e Vinius. Após a graduação, instalou-se em Montparnasse, Paris. Estudou na Écolle des Beaux-Arts, Paris com a orientação de Fernand Cormon. Tornou-se amigo de Amedeo Modigliani, sento modelo por várias vezes para o artista.
Inspirado pela pintura clássica européia de Rembrandt, Chardin e Courbet, aos poucos foi desenvolvendo seu estilo próprio sendo um dos precursores do Abstrato Expressionista.
Sua situação financeira era precária, mas em 1923 o colecionador Albert Barnes comprou várias telas suas o que permitiu uma vida mais confortável. Em 1927, realizou sua primeira individual lançando-se no mercado de arte. Em 1937, participou dos Salão dos Independentes, uma honra para um estrangeiro. Na Segunda Guerra,   invasão da França pelos alemães o fez abandonar Paris.
Morreu de úlcera perfurada e foi enterrado no cemitério de Monntparnasse. 




Still Life with Herring, 1916.

The Cellist Serevitsch, 1916.


Landscape, 1919.


The Mad Woman, 1919.


Little Girl With a Doll, 1919.



Woman in Red, 1929. Metropolitan Museum of Art, Nova York.



The Table, 1920.


Hen and Tomatoes, 



The Beef,1920. Coleção particular.


 Still Life with Violin, Bread, and Fish, 1922.


Pastry Cook, 1922.


Pastry Cook with a Red Handkerchief, 1923.


Landscape at Cagnes 1923.


Gorge de Loup-sur-Vence, 1923



Side of Beef, 1923.


Carcass of Beef, 1925.


Side of Beef and Calf's Head, 1925. Musée de Orangerie, Paris.


The Carcass of Beef, 1925. Coleção particular.






Flayed Rabbit, 1925.


Le Valet de Chambre, 1927.


Chartres Cathedral, 1934. MoMA, Nova York.


Two Children on the Road, 1942. Musée d'Art et d'Histoire, Geneva, Switzerland


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Beth Turkieniez | Ao Quadrado | Monica Filgueiras Galeria




BETH TURKIENIEZ apresenta nova individual na  MÔNICA FILGUEIRAS GALERIA


"Ao Quadrado" parte do conceito de apresentar obras no formato, em telas "mutáveis" que podem ser desmembradas e, aleatoriamente, dar origem a outra composição

Mônica Filgueiras Galeria expõe "Ao Quadrado", da artista plástica Beth Turkieniez. Composta por obras no formato quadrado, de medidas múltiplas entre si, a exposição pretende estabelecer o diálogo entre cores, intensidades e superfícies, num contínuo deslocamento das peças enquanto formação e finalização.

"As obras vão em série numa trajetória onde as palavras são desnecessárias...", comenta Beth Turkieniez. Em sua nova individual, a artista propõe uma expografia na qual as telas podem ser desmembradas e, aleatoriamente, dar origem a outra composição, desconstruindo o grande quadrado. As cores utilizadas são preparadas artesanalmente com pigmentos indianos, explorando tons de baixa intensidade e opacidade.

Em "Ao Quadrado", as obras de Beth Turkieniez são mutáveis e exploram as pesquisas desenvolvidas pela artista no campo da linguagem visual bi e tridimensional. Em suas palavras: "Construção vs. Desconstrução, num jogo em que o xeque-mate se dá ao final do trabalho".
Exposição: "Ao Quadrado
Artista: Beth Turkieniez
Abertura: 23 de novembro 2017, quinta-feira, das 19 às 22h
Período: 24 de novembro a 20 de dezembro 2017
Local: Monica Filgueiras Galeria
Rua Bela Cintra 1.533 – São Paulo
Tel.: 11 30825292
Horários: Segunda a sexta-feira, das 10h30 às 19h / Sábado, das 10h30 às 14h30

Projeto Passagem | Lin Lima - Distante es la galaxia vecina Curadoria: Gabriela Dottori


NOV25

Projeto Passagem | Lin Lima - Distante es la galaxia vecina

Público
 · Organizado por Gabriela Dottori e Lin Lima
Parque das Ruínas

Ruby Neil - Dia da Consciência Negra





Ruby Neil Bridges (1954-) Ativista americana conhecida por ter sido a primeira criança a estudar em escola primária para  brancos em Louisiana no século XX. Escola Elementar  William.
 Foi tema do grande artista Norman Rockwelll.







Diego Velázquez Retrato de Juan Pareja



Diego Velázquez (1599-1660) Potrait of Juan Pareja, 1650, Metropolitan Museum of Art, Nova York.


Em 1648, serviço do rei da Espanha Philip IV, Diego Velázquez, foi enviado a Roma com intuito de escolher e adquirir obras para Alcázar. Velázquez comprou o escravo Juan de Pareja para trabalhar como seu assistente. Em Roma, pintou o retrato do escravo.
Em 1650, foi libertado e continuou a trabalhar a como assistente no ateliê do mestre espanhol.
Nascido em 1606, Antequera e morreu em Mari, 1670.



Portrait of José Ratés Dalmau, 1660. Museu de Bellas Artes, Valência.


The Calling of Saint Matthew, 1661. Museu do Prado, Madri.



Cumplicidade - Felipe Veríssimo


Artigo - Alexandre Muricci

Conheça os highlights da ARTIGO Rio no CasaShopping ! Faltam 9 dias !!



Maurizio Cattelan

Maurizio Cattelan
Now